O Fígado

tem um papel fundamental na forma como o organismo processa os medicamentos para a infeção por VIH>

VIH e o Fígado

O que é importante saber?

O QUE É IMPORTANTE SABER?

A idade, o estilo de vida e outras variáveis podem afetar a saúde do fígado, independentemente de estar infetado por VIH ou não. No entanto, existem alguns fatores adicionais que sobrecarregam o fígado e que as pessoas que vivem com infeção por VIH devem conhecer. Estes incluem:

  • Infeção por VIH não tratada
  • Utilização prolongada de fármacos, incluindo medicamentos para a infeção por VIH
  • Hepatite vírica (nomeadamente hepatite B ou C) - pode progredir mais rapidamente em pessoas com infeção por VIH.

O QUE MAIS PRECISO SABER?

O fígado gordo não alcoólico (FGNA) está a tornar-se cada vez mais frequente em pessoas com infeção por VIH. Esta tendência tem sido associada à toma prolongada de alguns medicamentos para a infeção por VIH.

Fale com a equipa de cuidados de saúde que o acompanha, sobre quando deve iniciar o tratamento para a infeção por VIH ou, caso já esteja em tratamento, peça para rever os medicamentos que está a tomar. Informe-se também sobre os resultados das suas análises de rotina que permitem perceber se o seu fígado está a funcionar bem.

A saúde do fígado

A SAÚDE DO FÍGADO

O fígado tem um papel fundamental na forma como o nosso corpo funciona. Ajuda a:

  • Transformar os nutrientes dos alimentos e das bebidas em substâncias químicas que dão energia ao seu corpo.
  • Eliminar os resíduos, eliminando do sangue substâncias químicas indesejadas que poderiam prejudicar o seu corpo.
  • Processar os medicamentos, incluindo medicamentos para a infeção por VIH.

Quantos mais medicamentos ou toxinas (como o álcool) o fígado tiver que processar, mais sobrecarregado fica.

À medida que envelhecemos, o fígado torna-se menos ativo e menos eficiente no processamento dos alimentos e na eliminação dos produtos químicos indesejados, o que pode causar problemas no fígado.

O QUE É A DOENÇA HEPÁTICA?

A doença hepática é um termo abrangente usado para descrever múltiplos problemas que afetam o fígado e que o tornam menos ativo. Inclui:

  • Infeção pelo vírus da hepatite A
  • Infeção pelo vírus da hepatite B
  • Infeção pelo vírus da hepatite C
  • Doença hepática associada ao consumo de álcool - é causada pelo consumo excessivo de álcool. O tratamento envolve parar o consumo de bebidas alcoólicas. Pode ser recomendado apoio psicológico.
  • Fígado gordo não alcoólico (FGNA) – um termo que contempla uma série de problemas de saúde causados pela gordura que se acumula no fígado. O FGNA é comum em pessoas com excesso de peso ou com diabetes, e está a tornar-se cada vez mais frequente em pessoas que vivem com infeção por VIH. O tratamento envolve uma alimentação e um estilo de vida saudáveis.
  • Esteato-hepatite não alcoólica (EHNA) - uma forma mais grave de FGNA
A infeção por VIH pode causar doença hepática?

A INFEÇÃO POR VIH PODE CAUSAR DOENÇA HEPÁTICA?

Muitas pessoas vivem com infeção por VIH sem quaisquer problemas no fígado. No entanto, se estiver infetado com a infeção por VIH e se também tiver hepatite B ou C e/ou consumir álcool em excesso, o seu fígado poderá estar mais sobrecarregado e, como tal, mais vulnerável a desenvolver complicações

Estou em risco?

A sua equipa de cuidados de saúde pode avaliar o seu risco de desenvolver uma doença hepática, através dos seguintes parâmetros:

  • Rever as suas escolhas de estilo de vida para perceber se está a sobrecarregar desnecessariamente o seu fígado, como por exemplo:
    • Consumir bebidas alcoólicas em excesso
    • Usar drogas injetáveis ou recreativas, incluindo esteróides
    • Ter uma alimentação pouco saudável
  • Verificar o bom funcionamento do fígado através de análises de rotina ao sangue
  • Efetuar testes de hepatite vírica (nomeadamente hepatite B e C)
  • Rever os seus medicamentos (para a infeção por VIH e outros medicamentos). Algumas pessoas com infeção por VIH podem ter que reduzir a quantidade de medicamentos que tomam para não prejudicar o fígado. 

E seu eu já tiver uma doença hepática?

Um das formas mais eficazes de promover a saúde do seu fígado é seguir um estilo de vida saudável, mesmo se já tiver uma doença hepática.

Isto inclui:

  • Ter uma alimentação saudável
  • Não consumir álcool em excesso
  • Não usar drogas injetáveis ou recreativas
  • Não usar esteroides

Fale com a sua equipa de cuidados de saúde para rever os medicamentos que toma. Isto é importante porque a toma de grandes quantidades de medicamentos, sem prescrição médica e com prescrição médica (incluindo medicamentos para a infeção por VIH), pode diminuir a capacidade do fígado eliminar os resíduos do corpo. 

A sua equipa de cuidados de saúde pode dar-lhe alguns conselhos sobre como cuidar da saúde do seu fígado, algo que é especialmente importante se também tiver uma infeção pelo vírus de hepatite B ou hepatite C.

O que devo perguntar?

O QUE DEVO PERGUNTAR?

  • O que devo fazer para me certificar que estou a cuidar bem do meu fígado?
  • Quais os sintomas associados à doença hepática?
  • Alguns dos meus medicamentos, incluindo para o tratamento da infeção por VIH, podem prejudicar o meu fígado?
  • Qual o melhor tratamento para gerir a minha infeção por VIH e outras possíveis infeções?
  • Devo ser vacinado contra o vírus da hepatite A e B?
  • O meu consumo de álcool é aceitável?
  • Quais os riscos de desenvolver simultaneamente infeção por VIH e hepatite vírica?

5

Sugestões

PARA CUIDAR DA SUA SAÚDE

  1. Evite alimentos ricos em gordura e mantenha um peso saudável.
  2. Informe a sua equipa de cuidados de saúde se está a utilizar esteroides ou drogas recreativas.
    Peça ajuda para reduzir ou parar de consumir.
  3. Peça à sua equipa de cuidados de saúde informação sobre os resultados das análises ao sangue referentes ao fígado.
  1. Fale com a sua equipa de cuidados de saúde sobre suplementos ou quaisquer outros medicamentos que esteja a tomar, que podem sobrecarregar o fígado.
  2. Faça o teste da hepatite B e C. O rastreio é feito para as hepatites B e C, que são as hepatites víricas prevalentes em alguns dos grupos mais vulneráveis à infeção por VIH.